Entrevista (Edição nº 47)

"Filme Documentário e Etnográfico"

Para esta edição, estamos disponibilizando uma entrevista com o cineasta português Pedro Costa, realizada por Pedro Maciel Guimarães e Daniel Ribeiro, estudiosos do cinema. Esta entrevista foi realizada no Estúdio de Pedro Costa, em Lisboa, no dia 27/10/2007, registrada em mídia disponibilizada para nós por Rafael Barros, coordenador da Sessão Artigo da Comunidade Virtual de Antropologia e membro da Associação Filmes de Quintal, que esteve na organização geral do forumdoc.bh.2007, 11o Festival do Filme Documentário e Etnográfico, ocorrido no período de 23-11 a 5-12 de 2007, em Belo Horizonte, evento patrocinado pela Petrobras e pela CEMIG, que homenageou Pedro Costa (1958) e o cineasta carioca Joaquim Pedro de Andrade (1932-1988). Estamos disponibilizando nesta edição a entrevista registrada em PDF e o audio da mídia que acompanharam o catálogo do Festival.

Ainda pouco conhecido no Brasil, Pedro Costa é cineasta da geração surgida nos anos 1990. Considerado inovador, inspirou-se nos conceitos de antropologia visual e docuficção. Recebeu prêmio de Cineasta Estrangeiro do Ano, no Festival de Cannes de 2002, com seu filme ‘No quarto de Vanda’. O 11o Festival apresentou todos os seus filmes: ‘O sangue’ (Portugal, 98’, 1989); ‘Casa de lava’ (Portugal, França, Alemanha, 110’, 1995); ‘Ossos’ (Portugal, 94’, 1997); ‘No quarto de Vanda’ (Portugal, 170’, 2000); ‘Onde jaz o teu sorriso?’ (Portugal, França, 104’, 2001); ‘6 bagatelas’ (Portugal, França, 18’, 2005); ‘No change rien’ (Portugal, França, 13’, 2005); ‘Juventude em marcha’ (França, Portugal, Suíça, 155’, 2006); e ‘Tarrafal’ (Portugal, 17’, 2007).

Conforme pesquisa de Oswaldo Teixeira e Daniel Ribão, a obra cinematográfica de Pedro Costa recebeu homenagem devida, primeiramente, ao foco humano e urbano do realizador: a realidade de portugueses e africanos que habitam bairros de Lisboa, alguns destes bairros em processo de desaparecimento resultante do ritmo acelerado do crescimento moderno urbano; em segundo lugar, ao seu foco inovador por uma nova proposta cinematográfica, na qual ele passa a trabalhar com amigos e atores não-profissionais e a utilizar câmaras digitais mini-DV. Esta sua proposta cinematográfica lhe permite uma nova relação entre realizador e atores-personagens construindo juntos o filme e desconstruindo as fronteiras entre a ficção e o documentário. Nesta entrevista, o nosso internauta poderá, portanto, ler e ouvir a entrevista em que Pedro Costa apresenta as suas concepções e reflexões sobre conceitos e elementos do cinema documentário, a sua preferência temática, os recursos humanos e técnicos utilizados nos seus filmes, a influência de outros cineastas, etc. Boa fruição!

Clique aqui para ler o arquivo na íntegra (PDF).

Atualizado em 13/11/08

 

Topo